domingo, 6 de maio de 2012

Paraísos Artificiais

"Agente é o que agente sente. " (Nando)


Sexo, drogas e música eletrônica. Se fosse possível resumir o filme em três palavras talvez estas se aplicassem bem, mesmo que a trama gire em torno do amor, este tema tão comum ao cinema.

Invadindo o mundo das raves, o diretor Marcos Prado nos apresenta um efervescente ambiente levado ao ritmo alucinante e repetitivo das músicas eletrônicas. Adicionando ainda drogas “naturais” e sintéticas, além, é claro, de muito sexo e corpos sensuais. Logo, concluímos que menores de dezesseis anos não poderão ver este filme, pelo menos no cinema.

O filme merece uma boa avaliação, afinal tem uma ótima fotografia, os atores incorporaram bem os personagens, as cenas sensuais foram bem feitas e sem exageros, assim como também as festas e, digamos, a “viagem em busca do autoconhecimento”, como bem disse Marc (Roney Villela), uma espécie de sábio guru da rapaziada.

E, em meio as festas, sexo e drogas se desenvolvia uma interessante história de amor. A DJ Erika (Nathalia Dill), sua melhor amiga, Lara (Lívia de Bueno) e o jovem Nando (Luca Bianchi) se encontram em momentos diferentes de suas vidas. Mesmo buscando objetivos distintos o destino faz com que seus caminhos se cruzem mais de uma vez. Do Nordeste brasileiro a Amsterdã, na Holanda, estes jovens terão que tomar decisões que repercutirão não só nas suas vidas, mas também na vida de seus familiares. Ao mesmo tempo tentam lidar com sentimentos de culpa por ações do passado.

Curtir a vida, sentir intensamente as emoções e os prazeres que lhes são oferecidos, pensar no futuro ou na família, estar com os amigos, tomar decisões, ás vezes certas outras vezes não. Este é um filme que mesclou bem um ambiente movido a decisões imediatas e sempre associadas a consequências futuras, mas sem exagerar no moralismo como se fosse um filme educativo do governo ou mesmo sem o extremo assustador, mas real, do incrível Trainspotting.

De qualquer forma, não esquecendo o lado careta e sem graça, mas ainda assim importante, devemos ter em mente que por mais que o cinema tente ele não conseguirá capturar a real dureza ou alegria de determinados momentos da nossa vida, ou seja, é sempre uma visão parcial. Pois fica a sensação de que naquele ambiente as alegrias e felicidades dos personagens superam as tristezas, porém, aqui, no mundo não artificial, o paraíso pode não ser tão belo. Enfim, nem sempre, ou quase nunca, as drogas te levam ao paraíso.

Bom filme!

Título original: (Paraísos Artificiais)
Lançamento: 2012 (Brasil )
Direção: Marcos Prado
Atores: Nathalia Dill, Luca Bianchi, Lívia de Bueno, Bernardo Melo Barreto, César Cardadeiro, Divana Brandao, Emílio Orciollo Neto, Roney Villela
Duração: 96 min
Gênero: Drama

4 comentários:

  1. Quer uma maneira de aumentar a divulgação do seu site?
    Acesse o DivulgaBlog. É completamente gratuito, simples de usar e em poucos minutos o seu blog estará cadastrado na nossa base de blogs e visível para milhares de usuários.
    Dê uma conferida ! http://www.divulgablog.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Ainda não vi o filme.. Mas algo que chamou atenção sobre ele, foi Marcos Prado enfatizar as cenas de nudez do filme.. Desnecessárias ou não só poderei comprovar ao ver o filme...

    Apareça! Post dedicado ao mais novo remake americano!

    Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Fiquei curioso para assistir.

    Marcos, como eu lhe disse que faria, fiz um post sobre o curta "RED" lá no blog e mencionei o seu blog, que foi onde descobri curta. Dá uma olhada:

    http://monteolimpoblog.blogspot.com.br/2012/05/curta-red.html

    abraços!

    ResponderExcluir

Gostou? Não gostou? Já assistiu o filme? E o que achou? Comente!